Isto é um artigo de dicas de viagem.


Viajar de carona ou apanhar boleia é uma das maneiras mais baratas de viajar. Tradicionalmente, viajar de carona é pedir a alguém uma viagem para determinado sítio, ficando de pé à beira da estrada, virado para o trânsito, com o polegar estendido.

Lendo Kerouac. Dharma Bums e On the Road contém algumas dicas. Tendo sido, contudo os livro escritos há muito tempo e em um país distinto (EUA), é pouca coisa que realmente se pode aproveitar sem mudanças. Uma delas é estar atento à diversidade de boleias, que além de carros, caminhões e ônibus compreende trens e talvez barcos, etc.

Importantes lições que pode tirar dos livros de Kerouac:

1. Estar atento ao motorista, que pode se revelar uma grande pessoa e ajudar a viagem;

2. Não ter medo de regredir um pouco na estrada para encontrar melhores caronas;

3. Preferir estradas mais ermas e curvas do que vias duplas onde o motorista passa voando;

4. Não ser demasiado exigente com a exatidão dos destinos.

Segurança

editar

A grande questão, contudo, parece ser sempre a segurança. Estar no banco de passageiro é sempre uma situação que tende à vulnerabilidade. O motorista pode estar armado, dirigir a um local distinto do combinado, travar as portas, dopar o carona, etc. Parece paranóico, mas são questões que não faz mal pensar.

Kerouac: "Uma idéia que agora me ocorre é sempre, quando se pega uma boleia, sacar de um telefone (mesmo que falso) e comunicar alguém dos dados do carro da boleia. Pode-se fingir naturalidade, falando com a mãe, informando os dados porque ela exigiria, etc. para não criar um clima de desconfiança. Assim o motorista sabe que se você sumir, alguém dará falta e saberá inclusive a placa do carro dele, etc."

Este artigo está delineado. Ele já segue um modelo adequado, mas não contém informações suficientes sobre o assunto.

Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!